Arquivo de Dezembro, 2018

Cecília Barreira publica “Masculinidades e Outros Estudos”

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer a sua autora

banner_FB_Masculinidades_e_Outros_Estudos

Masculinidades e Outros Estudos pretende referenciar o lugar do Masculino na Literatura Portuguesa Contemporânea, bem como a presença da Literatura Gay durante esse mesmo período. Um capítulo muito breve sobre Henry Miller e Anaïs Nin, em torno do conceito de pornografia e obscenidade nas obras destes dois autores, também é inserido no núcleo de estudos. O objetivo é uma obra de divulgação geral das temáticas e não um estudo académico de raiz.

Anúncios

“Delírios de um Homem Fantasma e Outros Contos Delirantes”, de Pedro Rodrigues Costa

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer o seu autor

banner_FB_Delírios_de_um_Homem_Fantasma

Escritos algures entre 2013 e 2016, os contos presentes em Delírios de Um Homem Fantasma e Outros Contos Delirantes (2018, Edições Vírgula) discorrem sobre três assuntos tão delirantes quanto inquietantes: o aproveitamento da frequência sonora como meio subliminar capaz de impor um estado de humor benéfico à violência; a viagem e a experiência como os gatilhos maiores da aprendizagem; e a notícia falsa como uma força capaz de irradiar a esperança de um mundo diferente daquilo que é.

O conto homónimo (Delírios de um Homem Fantasma) dá conta das três grandes dimensões do «Humano» corroído e acelerado pelo lado sombrio da existência:
i) a dimensão do insaciável (o eterno Hungry Ghost que nunca sossega satisfeito);
ii) a dimensão da coisa-sombra, isto é, o sujeito que vive e produz por detrás de marcas ou nomes;
iii) e a dimensão da co-autoria, quer dizer, a coisa que se torna coisa porque muitos outros sem rosto contribuíram para que a coisa um dia se tornasse possível.

Iniciando este conto através de um pastiche ao célebre conto de Dostoievsky (O Sonho de Um Homem Ridículo), o autor desafia o leitor a reparar na luz e na sombra, na oscilação entre um otimista incurável e um devir sinistro, permanentemente insatisfeito e à espreita de um motivo para se libertar. Só um forte ikigai (uma razão de viver) poderá limitar o ímpeto corrosivo das três dimensões do homem fantasma…

“Crawford, Entre Dois Impérios”, novo romance de J. P. Machado

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer o seu autor

banner_FB_Crawford

Novembro de 1938. Com a ameaça do fascismo a ensombrar a Europa, um jovem anglo-português alista-se como voluntário no exército inglês, decidido a lutar pela liberdade e por um futuro melhor junto da mulher que ama.

Enquanto tenta sobreviver às primeiras batalhas da 2.ª Guerra Mundial e ao opressivo regime de Salazar, Victor Crawford de Almeida terá que conciliar as suas raízes lusitanas com o implacável dever de combatente britânico.

Poderá o contributo de um só homem, perdido entre duas pátrias tão distintas, fazer a diferença?

“O Desenhador”, uma antologia de estudos por Shakil Y. Rahim

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer o seu autor

banner_FB_O_Desenhador

Estudos Cognitivos, Artísticos e Fenomenológicos

Prefácio de Ana Leonor Madeira Rodrigues
Posfácio de Eduardo Salavisa

“O desenho de nu em Cutileiro é um prazer. Para ele, que desenha e descobre o corpo; e para nós, que vemos o resultado da sua observação e com isso espreitamos essa descoberta. Este prazer é também o da tentativa de desenhar o belo associando-a à verdade como sugeria Platão. A história da arte ocidental da representação do nu multiplica a questão da beleza como uma variável que ultrapassa o corpo (Berger et al., 2002). A estética organiza e categoriza estas subjetividades da identidade do corpo que o desenhador regista, e que fazem sublimar o contorno físico do desenho, para o situar como característica autónoma e imaterial da representação. Tal como refere Fernando Pessoa (1888-1935), no Livro do Desassossego, a nudez é um fenómeno da alma (Pessoa, 1914, 2013).

Do movimento musculado dos homens eternos e intocáveis dos desenhos de Miguel Ângelo Buonarroti (1475-1564), à exposição explícita do corpo pelos desenhos eróticos de Degas (1834-1917) ou Picasso (1881-1973), as metodologias, técnicas e materiais do desenho de nu alteraram-se substancialmente através do tempo e da cultura (Pignatti, 2004). Neste quadro de circunstâncias, Cutileiro é um desenhador da aceleração contemporânea, porque minimiza os recursos gráficos para chegar à simplicidade do desenho urgente. Um desenho que se ajusta ao sublime Kantiano pela experiência emocional (Chalumeau, 1997) e à vocação supra-sensível da imaginação defendida por Deleuze (…).”


O SitiodoLivro.pt

Insira aqui o seu endereço de email para seguir o Blogue e receber notificações dos novos artigos por email.

Siga-nos no Twitter

Quer publicar um livro? Saiba como aqui

Esclareça-se aqui como comprar-nos livros

Conheça as modalidades de pagamento que aceitamos

Para qualquer questão, contacte-nos desde já

Categorias

Arquivo por meses

Anúncios

%d bloggers like this: