Arquivo de Dezembro, 2018

“Salve-se Quem Puder”, nova obra de António Serra Correia

Clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer o seu autor

banner_FB_Salve-se_Quem_Puder

“Angola após o 25 de Abril de 1974”

Não querendo pôr de lado a ficção, mais uma vez o autor serve-se dela para narrar factos, entretanto, também eles verídicos e em memória daqueles (e foram muitos) que sofreram “na carne” os maléficos efeitos de uma descolonização vergonhosa e que não pretende que como tal seja esquecida, apesar dos já muitos anos que passaram sobre eles.

Intitula-se este, Salve-se Quem Puder, em memória de todos os que se tornaram vítimas de um processo político que se pretendia justo e que acabará por ser vergonhoso.

O autor acredita mesmo que este livro se torne algo polémico e espera receber alguma crítica que o desminta, num ou noutro aspecto. Aceita essa crítica porque sabe que há e haverá sempre vozes contraditórias e vários modos de descrição, mas como estamos em democracia, espera também que lhe reconheçam o direito de opinar, da maneira que melhor sabe e divulga.

Anúncios

“Tábula”, novo romance de Alberto Bravo

clique na imagem para ver ou adquirir o livro

banner_fb_tábula

Um moribundo de muitas mortes que teima em não morrer, leccionador epiléptico, dizimador de palavras, cria um suspense pouco usual, e aspira a uma forma de liderança oculta. Num casulo de pedras, labora por sua vez um enigmático mação, tão obstinado quanto modesto, sonhando uma ideia de catedral minimalista que se guarde na palma de uma mão de criança. Vítimas duma bifurcação originária indocumentada, o homem de trapo e o comandante convergem no mesmo desejo de unificação através da narração pública duma biografia inventada, o que lhes possibilitaria, no seu entender, uma forma de existência social como outra qualquer. O visitante, suspeito de ser um autor, não se sente autorizado a nada, nem a uma só palavra. Nestas condições, o estatuto de estagiário assentar-lhe-ia como uma luva. Mas nada indica que esse estatuto exista. Em consequência, nada lhe poderá ser imputado, muito menos um resumo do que nunca lhe foi dado a ler. O que tiver aprendido ficará com ele.

Tábula é um conto quase amargurado com um rasgão estrutural de aventura e acaso. Daí a hipótese do seu interesse. Ao texto falta um monge para lhe endossar o hábito, embora dê a ver alguns outros lindos trajos, como acontece em todas as histórias de viagens e de fantasia. E como em todas elas tem um lindo fim feliz, com música dos anjos e turbilhões de nuvens.

Cecília Barreira publica “Masculinidades e Outros Estudos”

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer a sua autora

banner_FB_Masculinidades_e_Outros_Estudos

Masculinidades e Outros Estudos pretende referenciar o lugar do Masculino na Literatura Portuguesa Contemporânea, bem como a presença da Literatura Gay durante esse mesmo período. Um capítulo muito breve sobre Henry Miller e Anaïs Nin, em torno do conceito de pornografia e obscenidade nas obras destes dois autores, também é inserido no núcleo de estudos. O objetivo é uma obra de divulgação geral das temáticas e não um estudo académico de raiz.

“Delírios de um Homem Fantasma e Outros Contos Delirantes”, de Pedro Rodrigues Costa

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer o seu autor

banner_FB_Delírios_de_um_Homem_Fantasma

Escritos algures entre 2013 e 2016, os contos presentes em Delírios de Um Homem Fantasma e Outros Contos Delirantes (2018, Edições Vírgula) discorrem sobre três assuntos tão delirantes quanto inquietantes: o aproveitamento da frequência sonora como meio subliminar capaz de impor um estado de humor benéfico à violência; a viagem e a experiência como os gatilhos maiores da aprendizagem; e a notícia falsa como uma força capaz de irradiar a esperança de um mundo diferente daquilo que é.

O conto homónimo (Delírios de um Homem Fantasma) dá conta das três grandes dimensões do «Humano» corroído e acelerado pelo lado sombrio da existência:
i) a dimensão do insaciável (o eterno Hungry Ghost que nunca sossega satisfeito);
ii) a dimensão da coisa-sombra, isto é, o sujeito que vive e produz por detrás de marcas ou nomes;
iii) e a dimensão da co-autoria, quer dizer, a coisa que se torna coisa porque muitos outros sem rosto contribuíram para que a coisa um dia se tornasse possível.

Iniciando este conto através de um pastiche ao célebre conto de Dostoievsky (O Sonho de Um Homem Ridículo), o autor desafia o leitor a reparar na luz e na sombra, na oscilação entre um otimista incurável e um devir sinistro, permanentemente insatisfeito e à espreita de um motivo para se libertar. Só um forte ikigai (uma razão de viver) poderá limitar o ímpeto corrosivo das três dimensões do homem fantasma…

“Crawford, Entre Dois Impérios”, novo romance de J. P. Machado

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer o seu autor

banner_FB_Crawford

Novembro de 1938. Com a ameaça do fascismo a ensombrar a Europa, um jovem anglo-português alista-se como voluntário no exército inglês, decidido a lutar pela liberdade e por um futuro melhor junto da mulher que ama.

Enquanto tenta sobreviver às primeiras batalhas da 2.ª Guerra Mundial e ao opressivo regime de Salazar, Victor Crawford de Almeida terá que conciliar as suas raízes lusitanas com o implacável dever de combatente britânico.

Poderá o contributo de um só homem, perdido entre duas pátrias tão distintas, fazer a diferença?

“O Desenhador”, uma antologia de estudos por Shakil Y. Rahim

clique na imagem para ver ou adquirir o livro e conhecer o seu autor

banner_FB_O_Desenhador

Estudos Cognitivos, Artísticos e Fenomenológicos

Prefácio de Ana Leonor Madeira Rodrigues
Posfácio de Eduardo Salavisa

“O desenho de nu em Cutileiro é um prazer. Para ele, que desenha e descobre o corpo; e para nós, que vemos o resultado da sua observação e com isso espreitamos essa descoberta. Este prazer é também o da tentativa de desenhar o belo associando-a à verdade como sugeria Platão. A história da arte ocidental da representação do nu multiplica a questão da beleza como uma variável que ultrapassa o corpo (Berger et al., 2002). A estética organiza e categoriza estas subjetividades da identidade do corpo que o desenhador regista, e que fazem sublimar o contorno físico do desenho, para o situar como característica autónoma e imaterial da representação. Tal como refere Fernando Pessoa (1888-1935), no Livro do Desassossego, a nudez é um fenómeno da alma (Pessoa, 1914, 2013).

Do movimento musculado dos homens eternos e intocáveis dos desenhos de Miguel Ângelo Buonarroti (1475-1564), à exposição explícita do corpo pelos desenhos eróticos de Degas (1834-1917) ou Picasso (1881-1973), as metodologias, técnicas e materiais do desenho de nu alteraram-se substancialmente através do tempo e da cultura (Pignatti, 2004). Neste quadro de circunstâncias, Cutileiro é um desenhador da aceleração contemporânea, porque minimiza os recursos gráficos para chegar à simplicidade do desenho urgente. Um desenho que se ajusta ao sublime Kantiano pela experiência emocional (Chalumeau, 1997) e à vocação supra-sensível da imaginação defendida por Deleuze (…).”


O SitiodoLivro.pt

Insira aqui o seu endereço de email para seguir o Blogue e receber notificações dos novos artigos por email.

Siga-nos no Twitter

Quer publicar um livro? Saiba como aqui

Esclareça-se aqui como comprar-nos livros

Conheça as modalidades de pagamento que aceitamos

Para qualquer questão, contacte-nos desde já

Categorias

Arquivo por meses

Anúncios

%d bloggers like this: