Sylvia Plath

ESPELHO

“Sou de prata e exacto. Não faço pré-julgamentos.
O que vejo engulo de imediato
Tal como é, sem me embaçar de amor ou desgosto.
Não sou cruel, simplesmente verídico –
O olho de um pequeno deus, de quatro cantos.
Reflicto todo o tempo sobre a parede em frente.
É rosa, manchada. Fitei-a tanto
Que a sinto parte do meu coração. Mas cede.
Faces e escuridão insistem em separar-nos.

Agora eu sou um lago. Uma mulher se encosta a mim,
Buscando na minha posse o que realmente é.
Mas logo se volta para aqueles farsantes, o brilho e a lua.
Vejo as suas costas e reflicto-as na íntegra.
Ela paga-me em choro e em agitação de mãos.
Eu sou importante para ela. Ela vai e vem.
A cada manhã a sua face alterna com a escuridão.
Em mim se afogou uma menina, e em mim uma velha
Salta sobre ela dia após dia como um peixe horrível.”

Sylvia Plath

Sylvia Plath

«Há quem veja nela a mártir romântica, autora de uma obra vivida intensamente até à exaustão que com ela se vai diluindo. Há quem veja nela a precursora do feminismo, da revolta contra um universo normativo masculino. Há quem veja nela o discurso político, pacifista, participando das movimentações ideológicas contra o sistema que atingirão o auge nos finais da década seguinte. Há quem veja na sua obra um eco estruturado de rituais iniciáticos. Há quem veja nela um espaço privilegiado para explicações edipianas ou reflexões sobre a esquizofrenia. Há ainda quem, cioso de saudáveis costumes pedagógicos, alerte para os perigos decorrentes da leitura e do ensino de textos constantemente enunciando experiências de limite. Talvez muito disso lá se encontre, mas não só. (…)» (Mário Avelar, no posfácio de “A Campânula de Vidro”)

Poetisa e romancista, de ascendência alemã, foi uma criança dotada e ambiciosa, que viu morrer o pai quando tinha oito anos, o que a marcou profundamente.

Numa busca pela perfeição e pela beleza poética e num tom confessional e autobiográfico, Plath aborda, como temáticas recorrentes da sua escrita, a paixão e as condições sociais e biológicas da identidade feminina. Em 2003, foi realizado o filme Sylvia (de Christine Jeffs), sendo Sylvia Plath interpretada por Gwyneth Paltrow e Ted Hughes por Daniel Craig.

Suicidou-se a 11 de Fevereiro de 1963, com apenas 30 anos de idade, no seu apartamento em Londres, intoxicada com gás.

Relembramos Sylvia Plath quando passam 48 anos da sua morte.

Bibliografia de Sylvia Plath

Anúncios

0 Responses to “Sylvia Plath”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Insira aqui o seu endereço de email para seguir o Blogue e receber notificações dos novos artigos por email.

O SitiodoLivro.pt

Seja nosso fã no

Quer publicar um livro? Saiba como aqui

Conheça todas as novidades editoriais na nossa livraria

Os nossos e-books

Procura um livro que não encontra? Peça-nos

Encomende os livros escolares connosco

Esclareça-se aqui como comprar-nos livros

Para qualquer questão, contacte-nos desde já

Conheça as modalidades de pagamento que aceitamos

Arquivo por meses

Categorias


%d bloggers like this: