José Craveirinha

Um Homem Nunca Chora

«Acreditava naquela historia
do homem que nunca chora.

Eu julgava-me um homem.

Na adolescência
meus filmes de aventuras
punham-me muito longe de ser cobarde
na arrogante criancice do herói de ferro.

Agora tremo.
E agora choro.

Como um homem treme.
Como chora um homem!»

(José João Craveirinha)

José Craveirinha

José Craveirinha

Distinguiu-se como desportista, enquanto praticante e treinador, nas modalidades de atletismo e futebol. Depois foi jornalista, cronista e poeta, no semanário “O Brado Africano”, onde fazia um pouco de tudo e no “Notícias” e na “Tribuna”, entre outros, todos periódicos de Moçambique, tendo escrito sob vários pseudónimos. Veio a ser preso pela polícia política, durante 5 anos, em Lourenço Marques, onde privou com Malangatana, na célebre Cela 1.

É consensualmente considerado o grande poeta de Moçambique e tornou-se, em 1991, o primeiro autor africano a receber o Prémio Camões, o mais importante galardão literário da Língua Portuguesa. Publicou o seu primeiro livro, “Xigubo”, em 1964 e a sua consciência política surge em obras como “O Grito e o Tambor”. “Maria”, o último livro que escreveu, é dedicado à sua mulher, cuja morte prematura em 1979 muito o afectou.

A sua resenha auto-biográfica discorre assim: «Nasci a primeira vez em 28 de Maio de 1922. Isto num domingo. Chamaram-me Sontinho, diminutivo de Sonto. Pela parte da minha mãe, claro. Por parte do meu pai fiquei José. Aonde? Na Avenida do Zichacha, entre o Alto Mae e como quem vai para o Xipamanine. Bairros de quem? Bairros de pobres. Nasci a segunda vez quando me fizeram descobrir que era mulato. A seguir fui nascendo à medida das circunstâncias impostas pelos outros. Quando o meu pai foi de vez, tive outro pai: o seu irmão. E a partir de cada nascimento eu tinha a felicidade de ver um problema a menos e um dilema a mais. Por isso, muito cedo, a terra natal em termos de Pátria e de opção. Quando a minha mãe foi de vez, outra mãe: Moçambique (…)»

Relembramos “o maior poeta africano de expressão portuguesa”, 8 anos após ter falecido.

Bibliografia de José Craveirinha

Anúncios

0 Responses to “José Craveirinha”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Insira aqui o seu endereço de email para seguir o Blogue e receber notificações dos novos artigos por email.

O SitiodoLivro.pt

Seja nosso fã no

Quer publicar um livro? Saiba como aqui

Conheça todas as novidades editoriais na nossa livraria

Os nossos e-books

Procura um livro que não encontra? Peça-nos

Encomende os livros escolares connosco

Esclareça-se aqui como comprar-nos livros

Para qualquer questão, contacte-nos desde já

Conheça as modalidades de pagamento que aceitamos

Arquivo por meses

Categorias

Siga-nos no twitter


%d bloggers like this: