de Tomas Tranströmer, Prémio Nobel de Literatura 2011

Após a morte de alguém
Era uma vez um choque
que deixou para trás uma longa e cintilante cauda de cometa.
Manteve-nos cá dentro. Desfocou as imagens do televisor.
Depositou-se nas gotas frias das linhas do telefone.
Ainda se pode deslizar em esquis, ao sol de inverno
por entre os bosques onde as folhas do ano passado ainda estão penduradas.
São como páginas arrancadas a antigas listas telefónicas –
nomes engolido pelo frio.
Ainda é belo sentir o coração a bater
mas muitas vezes sinto a sombra mais real do que o corpo.
O samurai parece insignificante
ao lado da sua armadura de dragão negro com escamas.
«Nunca gostei de poesia mas o meu caso, raro, doente, estranho, terminal termina quando oiço Tomas Tranströmer.»
Anúncios

0 Responses to “de Tomas Tranströmer, Prémio Nobel de Literatura 2011”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s




O SitiodoLivro.pt

Insira aqui o seu endereço de email para seguir o Blogue e receber notificações dos novos artigos por email.

Siga-nos no Twitter

Quer publicar um livro? Saiba como aqui

Esclareça-se aqui como comprar-nos livros

Conheça as modalidades de pagamento que aceitamos

Para qualquer questão, contacte-nos desde já

Categorias

Arquivo por meses

Anúncios

%d bloggers like this: